Q

Conto introdutório de personagem para uma campanha de Shadow of the Demon Lord – The Hunger in the Void

Urth está acabando em magia podre e corrompida.

Q_rosto

Magia tornou-se selvagem e imprevisível em diversos locais. Os rumores falam de uma aldeia a oeste do Mar de Sal onde os mortos simplesmente não descansam. A capital foi coberta por um nevoeiro e diz-se que seus habitantes não vêem a luz do sol há semanas.

O sul, dizem, está gelado como nunca e mesmo as feras estão congelando nos campos, como se o velho invernal da antiga fé tivesse acordado em fúria. Exércitos de orcs criados por grandes magos varrem o interior do continente, sem nenhum motivo aparente além de espalhar miséria e morte, salgando campos das terras baixas e passando à tocha vilas inteiras. E os demônios  apodrecem pessoas a um simples toque e marcam suas almas para sempre.

Mas não é a lâmina de um orc ou a fome de um demônio que preocupa o cidadão comum. É a fome. Cevada congela nos campos ao sul e a carne dos animais está corrompida e pustulenta. Comida é para poucos e pessoas desesperadas fazem coisas desesperadas.

“Deixe-me passar”, disse a taverneira enquanto carregava um grande caneco de cerveja e uma porção de guisado em uma tigela de madeira. “É para o comandante”.

Ele tinha ordens expressas de não permitir a entrada de niguém, mas por algum motivo essa ordem exerceu um apelo irresistível sobre ele. Ela nem mesmo era bonita, acima do peso, com dentes podres e cabelo sujo. Ele girou a chave, e o som do ferrolho, a porta se abriu. A taverneira sorriu, consciente de que os truques da infância ainda funcionam. Em outros tempos, magia era para poucos, mas o mundo não é mais o mesmo. E nem os magos. Continuar lendo